BlogBlogs.Com.Br

terça-feira, 30 de junho de 2009

Amor incondicional...


Há 11 anos que vc chegou.

Pequena mas bravinha, filha da cachorra de um vizinho.

Minha mãe te deu o nome de Dolly...era época da famosa ovelhinha clonada (ah! se vc tivesse uns clones!).

Em todos esses anos sempre esteve ao nosso lado, nas horas tristes e felizes.

Lembro-me de várias vezes chorar ao teu lado e você lamber meu rosto secando minhas lágrimas.

Também lembro de sua fidelidade quando meu pai sofreu acidente estava com a perna cheia de ferros, com uma fratura operada. Você ficou de plantão ao seu lado, rostando muitas vezes para os "visitantes" que vinham ver seu amado dono e tentavam tocar em seu machucado.

Você nunca tinha cruzado. Mas depois de velha, danadinha como sempre, fugiu e ficou grávida...já passava dos 7 anos. Ficou esperando cachorrinho. Quase morremos de susto! O parto foi sofrido, perdeu o útero nesse parto, mas sobreviveu e resistiu bravamente. Teve apenas 1 filhote, mas como o mesmo era macho,muito arteiro e vc muito ciumenta, não ficamos com ele.

O tempo foi passando...

Semana passada resolvemos acabar (ou começar) com seu sofrimento de um tumor que estava enorme e levamos nossa menina para o veterinário. Você estava com um câncer irraizado por seu corpinho, mas nos 2 primeiros dias da cirurgia resistiu bem, comeu, brincou...passados esses dias, começou a não comer, vomitar...voltamos ao veterinário, nada de febre ou infecção aparente. Hemograma!

Com esse exame veio a confirmação de uma infecção.

Vc foi internada hoje (30/06/2009), passou o dia entre soro e injeções de vitaminas. Foi tão triste chegar em casa do trabalho e não te ver...senti um frio na barriga e um aperto no coração. Voltei para trabalhar de tarde depois de chorar muito.

No final da tarde fomos buscá-la para dormir em casa.

Amanhã recomeça a jornada de injeções...

O que eu te imploro?

Seja guerreira e forte como sempre foi...

Não nos deixe agora, dói muito pensar em te perder.

Podem me chamar de doida, de qualquer coisa, mas o amor da gente é incondicional e pode ser sentido até mesmo pelos animais.

Aliás, a Dolly não é só uma cadelinha vira-lata mimada, ela é parte da família, nosso bebê, nossa menina, nossa gorda (que agora tá tão magrinha).

Dolly...vc está em minhas orações.

MELHORASS!

Te amo...